De origens a ocasos: a crítica literária de Sérgio Buarque de Holanda na década de 1920

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Tese de Doutorado: De origens a ocasos: a crítica literária de Sérgio Buarque de Holanda na década de 1920

Autor(a):  Rafael Loche Barbosa

Ano: 2018

Orientador(a):  Ivone Dare Rabello

Unidade da USP: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)

Disponível em: https://doi.org/10.11606/T.8.2019.tde-20022019-114055

Resumo: 

A presente tese de doutoramento intenta perscrutar a trajetória crítico-literária de Sérgio Buarque de Holanda pela segunda década do século XX. Partindo da análise de seu primeiro ensaio crítico publicado Originalidade Literária este trabalho passa por diversos momentos da formação buarqueana. Analisa-se como o desenvolvimento acelerado das capitais paulista e carioca refletiu decisivamente no processo de formação do jovem crítico, bem como de que forma ele influenciou a vida cultural dessas cidades. Pondera-se a utilização das formas ideológicas de expressão por Sérgio, utilização esta que só seria atenuada com o confrontamento direto do crítico junto ao peso da tradição do fin de siècle. Observa-se de perto a assimilação de Sérgio Buarque da vanguarda futurista que chegava no Brasil e todo o seu esforço por uma espécie de ressignificação teórica, a fim de melhor compreender o processo que se dava em nossos meios culturais. Acompanha-se o contato do jovem autor junto às agitações do Modernismo nascente e, mais tarde, a própria atuação de Sérgio como integrante desse processo, em militância e luta, além da fundação da revista Estética, e de se tornar o representante da revista Klaxon no Rio de Janeiro. E, em momento final, observa-se o que chamamos de ocaso do crítico modernista, que após publicação de ensaio denominado O Lado oposto e outros lados, encontra-se em meio a tantas desavenças e ressentimentos por parte de seus correligionários de movimento, que, logo à frente, decide tudo abandonar e manter-se em exílio voluntário.

Palavras-chave: Futurismo; Modernismo; Ruptura; Sérgio Buarque de Holanda; Tradição.

Fonte: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP