Entre a rotina e a quimera: jogo literário e política na Belo Horizonte dos anos 20

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Tese de Doutorado: Entre a rotina e a quimera: jogo literário e política na Belo Horizonte dos anos 20

Autor(a): João Ivo Dapieve Miranda Pinheiro Duarte Guimarães

Ano: 2017

Orientador(a):  Maria Arminda do Nascimento Arruda

Unidade da USP: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)

Disponível em: https://doi.org/10.11606/T.8.2018.tde-04062018-155035

Resumo: 

A tese analisa os dilemas da primeira geração modernista de Minas Gerais, na provinciana Belo Horizonte dos anos 1920. Com vistas a recuperar a feição própria do modernismo mineiro, procurei reconstruir a trajetória exemplar de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) na Belo Horizonte dos anos 1920, intelectual que pode ser encarado como a figura síntese de uma geração prensada entre o desafio de dar forma a suas pulsões expressivas e os serviços de natureza político-ideológica que seus protetores reclamavam. Elegendo Carlos Drummond de Andrade como figura síntese dessa geração de intelectuais mineiros, o texto reconstroi suas experiências de socialização familiar, escolar e profissional, retraçando as disposições mentais e comportamentais constituídas ao longo desse progressivo desenraizamento. O percurso de socialização desemboca na Belo Horizonte dos anos 1920, momento em que Drummond se integrou na roda de intelectuais da Rua da Bahia, focalizando a liderança conquistada por ele no interior desse grupo composto de herdeiros de ramos oligárquicos em declínio. A literatura e a burocracia acabaram constituindo o eixo da vida dos jovens letrados mineiros.

Palavras-chave: Dupla vida dos escritores; Jogo literário; Modernismo mineiro; Sociologia da cultura.

Fonte: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP.