Orpheu e Klaxon: Contexto Modernista Portugal-Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Tese de Doutorado: Orpheu e Klaxon: Contexto Modernista Portugal-Brasil

Autor(a):  Edson Luiz de Oliveira

Ano: 2019

Orientador(a): Elza Maria Ajzenberg

Unidade da USP: Escola de Comunicações e Artes (ECA)

Disponível em: https://doi.org/10.11606/T.27.2019.tde-17052019-095834 

Resumo:

Em 2015, a revista Orpheu completou 100 anos, acontecimento que marcou o início do Modernismo em Portugal, um momento historicamente tão importante quanto a Semana de Arte Moderna de 1922, em São Paulo. A partir de então, as ideias modernistas foram se disseminando pelo espaço da língua portuguesa e por todas as áreas da cultura e das artes: poesia, pintura, arquitetura, escultura, música, teatro; nenhuma atividade artística ficou imune à tempestade inovadora. Formou-se assim uma rede de ideias e pessoas que se estendia num espaço expandido entre Paris, Lisboa e São Paulo, capaz de estabelecer um grande sistema de interlocuções entre três culturas bastante diferenciadas. A questão central colocada enfoca o significado social e cultural dessa rede e as consequências estéticas visíveis no fazer artístico de portugueses e brasileiros, nas três primeiras décadas do século XX. Nesse contexto, buscou-se, através de investigações em arquivos e análises comparativas, refletir sobre as propostas do Modernismo português, cotejando-as com aquelas do Modernismo brasileiro. Foi tomado como referencial de análise a revista Orpheu, em contraposição à revista paulista Klaxon, entre outras manifestações, como as exposições de arte e manifestos. A partir daí, formulou-se a hipótese de que, enquanto Orpheu provocou a emergência do Modernismo em Portugal, a revista Klaxon lançada em 1922 foi uma continuidade da Semana de Arte Moderna, mas também estabeleceu limites para o Modernismo brasileiro, antecipando-se ao “retorno à ordem”. Tanto que algumas ideias esteticamente ousadas somente seriam adotadas no Brasil muito mais tarde, com as neovanguardas dos anos de 1950 e 1960, que retomou o primeiro Modernismo, resgatando principalmente os conceitos da Antropofagia oswaldiana.

Palavras-chave: Modernismo em Portugal; Modernismo no Brasil; revista Klaxon; revista Orpheu

Semana de Arte Moderna. 

Fonte: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP