As várias faces do Brasil: a imagem do caju em Macunaíma

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Dissertação de Mestrado: As várias faces do Brasil: a imagem do caju em Macunaíma

Autor(a): Jakeline Fernandes Cunha de Paula

Ano: 2010

Orientador(a): Fabio Rigatto de Souza Andrade

Unidade da USP: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)

Disponível em: https://doi.org/10.11606/D.8.2010.tde-12032010-172014

 

Resumo:

Macunaíma, de Mário de Andrade, é uma das obras brasileiras que mais intrigam a crítica literária. Afinal, analisar a narrativa modernista pressupõe fazer um diagnóstico do Brasil, cujas interpretações se cruzam e entrecruzam, atuam e reagem umas sobre as outras, ora prolongando ora opondo-se, como demonstraremos através do colóquio entre importantes vertentes teóricas que interpretam a rapsódia e o Brasil. A partir desse colóquio tentamos abrir um veio analítico pouco explorado pela crítica; percebemos que o estatuto ambíguo do herói (do Brasil) poderia ser verificado por meio da disposição das árvores, frutas e alimentos que perfazem cenas e enumerações da obra. Mas diante da abundância de tantas árvores, alimentos e frutas na rapsódia, escolhemos uma imagem para nos deter com mais afinco: o caju. Tomar esse detalhe concreto como fonte de estudo da obra nos fez perguntar: o que se pode depreender dessa fruta nativa reiterada na rapsódia? O caju reflete a mobilidade intrínseca à forma da obra? Ou melhor: em que medida o cajueiro, sua ramagem e frutos, salpicados ao longo da obra, ajudam a compor o impasse intrínseco a ela (se é que o fazem)? O caju por si só é fruta contraditória: é doce, esponjosa, suculenta, aromática, mas de sabor travoso deixando certo amargor na boca. O caju é assim símbolo possível para se pensar a obra-impasse de Mário de Andrade e, por ela, o Brasil. Ousaríamos dizer que o dulçor e o travo dessa fruta parecem ter contagiado não só a voz narrativa em Macunaíma, mas as línguas-intérpretes que degustam essa lira-prosa de cantador.

Palavras-chave: Caju; Cultura brasileira; Macunaíma; Travo.

 

Fonte: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP.