O modernismo brasileiro em trânsito: um olhar sobre o registro de viagem

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Dissertação de Mestrado:  O modernismo brasileiro em trânsito: um olhar sobre o registro de viagem

Autor(a): Gabriela Farsoni Villa

Ano: 2018

Orientador(a): Joubert José Lancha

Unidade da USP: Instituto de Arquitetura e Urbanismo (IAU)

Disponível em: https://doi.org/10.11606/D.102.2019.tde-18022019-102155

 

Resumo:

A leitura dos produtos deixados por uma viagem nos contam várias histórias, mais do que detalhes da expedição, a forma como o registro foi elaborado nos informa mais sobre o autor, o seu tempo, suas ideias, seus laços. A busca por entender uma época, suas contribuições para a história da arquitetura, das artes, das cidades, das perspectivas formadas num espaço de tempo encontra muitos indícios nas narrativas de viagem deixada por seus personagens. O registro de viagem é compreendido aqui não só como causalidade, mas como momento de produção de perspectivas, de transformação e invenção da história. O registro não é interpretado como notação asséptica, mas em toda a sua fatura, suas escolhas representativas e a expressão que delas decorrem. Dentre essas viagens, a pesquisa toca a experiência brasileira, de modernidade e de alteridades. Uma viagem para muitos viajantes, recortamos o ano de 1924, da incursão a Minas Gerais, de um poeta, um escritor, uma pintora e um arquiteto, como ponto em comum, que marca o início de uma trajetória de pesquisa que esteve presente nas viagens de Blaise Cendrars, Mário de Andrade, Tarsila do Amaral e Lucio Costa. Esse marco comum começa a formular visões de um mesmo Brasil, impulsionando ora novas experiências, repetindo o mesmo método, ora pela via da memória, pelo processo reflexivo, que não é, senão, também uma viagem. Interpretar as peculiaridades e a formação de um grupo mais ou menos coeso a partir da participação dos quatro personagens, através da mediação que cada um faz do sistema espaço-registro-experiência.

Palavras-chave: Arquitetura; Experiência; Modernismo; Viagem.

 

Fonte: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP.