Descoberta e limitação: os livros autobiográficos de Graciliano Ramos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Dissertação de Mestrado: Descoberta e limitação: os livros autobiográficos de Graciliano Ramos

Autor(a): Patricia Trindade Nakagome

Ano: 2009

Orientador(a): Andrea Saad Hossne

Unidade da USP: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)

Disponível em: https://doi.org/10.11606/D.8.2009.tde-24112009-142629

 

Resumo:

Este trabalho consiste em uma leitura de Infância e Memórias do Cárcere de Graciliano Ramos a partir de dois aspectos que consideramos fundamentais em sua obra autobiográfica: descoberta e limitação. A criança vive um processo de formação no livro, incorporando o novo aos seus referenciais. O adulto, com a absurda prisão, marca o texto com uma problematização de suas certezas. Com especificidades que separam experiências tão distintas, discutimos como as obras apresentam literariamente a limitação imposta pela violência e pela opressão e a possibilidade concreta de descobrir mais sobre a própria subjetividade e o mundo, que se dá pela relação com pessoas singulares. Principalmente na cadeia, o contato estreito com os homens em condições precárias permite que se conheça o quanto eles são surpreendentes, com ações inverossímeis àquela realidade. Nesse sentido, ao contrário do tão discutido pessimismo de Graciliano, consideramos que a experiência carcerária permitiu-lhe lampejos de esperança, que tiveram impacto sobre as obras escritas após sua libertação. Para entender o outro, Graciliano reflete profundamente sobre si mesmo, julgando-se incapaz de opor-se a um mundo de tamanha negatividade. Mas a sua resistência virá através da escrita, especialmente a autobiográfica. Essa forma traz o olhar do sujeito sobre a própria experiência, o que implica, por exemplo, em discutir verdade, ficção, verossimilhança e rememoração e, principalmente, em reconhecer o impacto da união de personagem, narrador e autor sob o nome de um único homem. Recorrer à autobiografia indica mais do que a necessidade de passar da ficção à confissão, pois essa forma, ao exigir maior unidade do sujeito, é a que melhor concretiza a resistência do homem a tantas experiências fragmentadoras.

Palavras-chave: Autobiografia; Graciliano Ramos; Infância; Memória; Memórias do Cárcere.

 

Fonte: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP.