Graciliano Ramos e a Novidade: o astrônomo do inferno e os meninos impossíveis

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Tese de Doutorado: Graciliano Ramos e a Novidade: o astrônomo do inferno e os meninos impossíveis

Autor(a): Ieda Lebensztayn

Ano: 2009

Orientador(a): Alcides Celso de Oliveira Villaca

Unidade da USP: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)

Disponível em: https://doi.org/10.11606/T.8.2009.tde-24112009-160650

 

Resumo:

Apresento a Novidade, revista alagoana de 1931 que procurou combater chavões na política e na arte. Foram seus colaboradores: Alberto Passos Guimarães, Aurélio Buarque de Holanda, Aloísio Branco, Carlos Paurílio, Graciliano Ramos, Jorge de Lima, José Lins do Rego, Santa Rosa, Valdemar Cavalcanti, Willy Lewin. Como os jovens desse grupo reagiam ao sem novidades e foram chamados de meninos impossíveis, analiso uma cena de Sem novidades no front, de Erich Maria Remarque, e O mundo do menino impossível, de Jorge de Lima, percebendo no grupo elementos de modernismo, regionalismo, atualidade crítica e preocupação social. A partir de textos de alguns escritores do semanário, esboço seus perfis e apreendo sua postura crítica contra o lugar-comum de miséria, ignorância, violência e política personalista. Centrados nessas questões, sobressaem os textos de Graciliano Ramos na Novidade: o capítulo XXIV de Caetés e as crônicas Sertanejos, Chavões (inéditas em livro), Milagres e Lampião. Constituem a melhor expressão crítica da revista e deixam ver os impasses contidos em estereótipos, que o escritor combateu ao construir suas personagens. Estudo esses textos, vinculando-os a Nuvens e Os astrônomos (Infância) e, num movimento analítico-interpretativo de cenas e imagens centrais de S. Bernardo, Angústia e Vidas secas, busco a poética, essencialmente ética, de Graciliano Ramos. Desvelando o impasse do intelectual num mundo de violência, ele configurou, artisticamente juntos, os problemas sociais e morais de seus protagonistas, de modo a evidenciar, a um tempo, a ordem social iníqua, a necessidade de compreensão do outro e um sentido de vanidade de tudo. Esforçando-se por compreender as semelhanças e diferenças entre as palavras, as coisas e os seres, resistiu ao lugar-comum por meio da escrita literária.

Palavras-chave: Anos 1930; Crônicas e memórias; Graciliano Ramos; Revista Novidade; Romance brasileiro.

 

Fonte: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP.