A Política do silêncio: Mário de Andrade, o teatro musicado e a presença estrangeira na São Paulo dos anos 1920 e 1930

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Artigo: A Política do silêncio: Mário de Andrade, o teatro musicado e a presença estrangeira na São Paulo dos anos 1920 e 1930

Autor(a): Virginia de Almeida Bessa

Revista: Revista de História

Ano: 2020

Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/156828

 

Resumo:

O artigo analisa o silêncio de Mário de Andrade em relação ao teatro musicado. Como entender que o mesmo autor que dedicou tanta atenção a outros importantes veículos culturais da época, como o disco, o cinema mudo e a partitura impressa, tenha se calado diante do teatro de operetas, burletas e revistas, um dos principais divertimentos públicos de São Paulo nas décadas de 1920 e 1930? A análise de textos jornalísticos, poéticos e programáticos do autor, um deles um autógrafo inédito, revela que tal silêncio só se configurou a partir do final dos anos 1920, quando a estruturação de um mercado de bens culturais e a forte presença italiana na vida musical e teatral da cidade passaram a ser vistas como uma ameaça ao projeto de construção de uma música a um só tempo artística nacional.

Palavras-chave: teatro musicado, Mário de Andrade, São Paulo, profissionalização musical, imigração italiana.

 

Fonte: Portal de Revistas da USP