CAM e SPAM: arte, política e sociabilidade na São Paulo moderna, do início dos anos 1930

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram

Dissertação de Mestrado: CAM e SPAM: arte, política e sociabilidade na São Paulo moderna, do início dos anos 1930

Autor(a): Graziela Naclério Forte

Ano: 2008

Orientador(a): Marcos Francisco Napolitano de Eugênio

Unidade da USP: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH)

Disponível em: https://doi.org/10.11606/D.8.2008.tde-30112009-120459

 

Resumo:

Esta dissertação analisa as primeiras associações de artistas na cidade de São Paulo, no início dos anos 1930. Tem como foco principal o Clube de Artistas Modernos (CAM), uma agremiação que se manteve ativa desde fins de 1932 até janeiro de 1934, dissidente da Sociedade Pró-Arte Moderna (SPAM), formada por artistas e intelectuais da elite. Em uma tentativa de adequação às tendências culturais e políticas do período, o grupo visava, primordialmente, a divulgação da arte moderna e a expansão do seu público para, como conseqüência, obter tanto a liberdade ideológica como financeira, afastando-se, assim, dos mecenas e do jogo de interdependência existente entre eles. Para tanto, criou um projeto cultural amplo, abrangendo sessões musicais, danças, bailes, conferências e apresentações teatrais. A grande diversidade dos eventos baseou-se em dois eixos fundamentais: as experimentações dentro da estética modernista (novas linguagens) e a união da arte à política, visando a divulgação da ideologia de esquerda.

Palavras-chave: Arte e política; Clube de Artistas Modernos; Modernismo; Sociedade Pró-Arte Moderna.

 

Fonte: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP.